Granja investe R$ 3 milhões na produção de ovos férteis

Galpões alojam 36 mil aves. Máquinas da secretaria de Obras e Agricultura auxiliam na terraplenagem

Com a abertura de novos mercados, recorde nas exportações e incentivos concedidos pelo município, produtores investem na ampliação dos plantéis. Em Araguari, a família Quinot vai aplicar R$ 3 milhões na construção de dois galpões para alojar em torno de 36 mil aves para produzir ovos férteis para a Nicollini, com sede em Garibaldi.

Conforme André, o objetivo é diversificar a produção e aumentar a renda. Na propriedade é mantida uma granja de suínos com mais de 4 mil animais alojados, além da produção de leite e fumo orgânico. “Teremos uma estrutura modelo, com destaque para a tecnologia. Tudo será climatizado e automatizado, o que ajuda a reduzir a necessidade de mão de obra e qualifica o trabalho”, destaca.

Além dos galpões, ainda haverá moradia para funcionários, quiosque e poço artesiano. As obras de terraplenagem devem iniciar nas próximas semanas com auxílio das máquinas da secretaria de Obras e Agricultura. A meta é começar a construção dos aviários até outubro. “Este auxílio é fundamental. Ainda vamos ser beneficiados com um valor por metro quadrado construído. Ajuda a reduzir os custos e nos motiva a investir cada vez mais”, destaca.

Da granja, os ovos seguem para um incubatório e posteriormente para as propriedades que criam as aves até o momento de irem para o abate.

Novo aviário

Outro produtor a investir na modernização da estrutura de produção é Vilson Radavelli de Arroio Alegre. O antigo aviário foi derrubado e dará lugar a um novo prédio cujo investimento será de R$ 258 mil. Por lote será alojados 15 mil aves.

Ele também elogia o apoio recebido da administração municipal. “Imagina quanto custaria fazer uma terraplenagem por conta. Criar frango sempre foi meu sustento. Ainda ganharei um incentivo por metro quadrado construído. É muito importante a ajuda recebida”, afirma.

Diversificar é fundamental

Para o secretário da Agricultura e Meio Ambiente, Adair Pedro Groders, o agricultor necessita diversificar e modernizar sua estrutura produtiva para acompanhar as tendências e exigências do mercado, reduzir custos, facilitar o trabalho e assim elevar a renda nas propriedades.

“Compramos novas máquinas e equipamentos e reajustamos os valores repassados por metro quadrado construído ou reformado. A agricultura é nossa prioridade”, afirma.

Auxílios financeiros

Os produtores de leite e gado de corte recebem R$ 12 por metro quadrado construído, com limite de R$ 6 mil para estruturas novas e R$ 2,4 mil para ampliações. O limite para aviários e chiqueiros novos é de R$ 9,6 mil e R$ 3,6 mil para estruturas ampliadas.

Ainda é realizada de forma gratuita a terraplenagem, o transporte de material, licenciamento ambiental, abertura de esterqueiras e acesso.

Foto e Texto Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha