RS vira zona livre de vacinação da febre aftosa

Secretários destacam importância de manter fiscalização e boas práticas de manejo

O Rio Grande do Sul obteve uma conquista histórica para o setor da pecuária. A Instrução Normativa (IN) 52, assinada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, nesta terça-feira (11), reconhece o Estado como zona livre de vacinação contra a febre aftosa. A mudança passa a vigorar em 1 de setembro.

Na semana passada, auditores do Ministério estiveram na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural para avaliar o cumprimento das exigências feitas para a obtenção do novo status sanitário. Desde então, entidades do setor aguardavam a decisão e demonstravam apoio à retirada da vacinação contra a aftosa no Estado.

O secretário da Agricultura, Covatti Filho, lembra que "trata-se de uma mudança que vem sendo gestada e planejada há um bom tempo pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural".

A alteração, segundo ele, vai gerar imenso impacto na economia gaúcha. "Com a retirada da vacina, o Estado poderá alcançar 70% dos mercados mundiais disponíveis”, afirma Covatti Filho. Ele observa que 2020 será o último ano com vacinação no Estado.

A partir do reconhecimento pelo Ministério, a Secretaria comunica a mudança para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que concede a certificação da evolução do status sanitário, abrindo portas para mercados não acessados pelos criadores gaúchos.

Técnicos e especialistas apontam que a retirada da vacinação tem potencial de abrir mercados como Japão, Coreia do Sul, México, Estados Unidos, Chile, Filipinas, China (carne com osso) e Canadá. No setor dos suínos, a expectativa é de que haja um incremento nas exportações na ordem de R$ 600 milhões anuais.

O documento também reconhece como área livre de vacinação os estados do Acre, Paraná, Rondônia e regiões do Amazonas e de Mato Grosso. Conforme o texto, o ingresso de animais e produtos de risco para a febre aftosa no estado de Santa Catarina, com origem nas áreas consideradas livres de vacinação, devem observar as diretrizes definidas para origem em zona livre da doença com vacinação, até seu reconhecimento pela OIE como zonas livres de aftosa sem vacinação.

Manter boas práticas

O secretário da Agricultura e Meio Ambiente Adair Pedro Groders comemora o avanço, pois permite a entrada em novos mercados mundiais importadores de carnes. No entanto, entende que a retirada da vacinação exige mais cuidados e investimentos em sanidade animal.

“Todos precisam fazer sua parte, nós, o estado e os produtores. Reforçar a fiscalização e as boas práticas no manejo e no transporte de animais, não deixando de comunicar para as autoridades qualquer anormalidade”, finaliza.

Foto e Texto Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha e Emerson Foguinho